A passagem, livro 2 (The Twelve) – Justin Cronin fala

Para os que leram, e gostaram, de A Passagem, ficção realmente inovadora, a chegada do segundo livro da Trilogia é um evento. O livro The Twelve, foi lançado dia 16 de outubro nos USA e deve chegar ao Brasil até o final do ano, embora a Editora Arqueiro, detentora dos direitos, não tenha nada em seu site a respeito. Justin Cronin fala sobre ele neste vídeo. Em recente entrevista na CBS o autor comentou bastante sobre seu processo criativo e de como surgiu a estória de A Passagem. Veja a entrevista aqui.

É fato que o curto texto que foi disponibilizado como teaser na rede faz alguma tempo não encantou muito, mas Cronin anuncia que neste livro 2 a estória não só evolui como também joga novas luzes sobre os acontecimentos de A Passagem. Talvez valha a pena conferir.

Advertisements

Trilogia Millennium: as datas de exibição na TV de Millennium 2 e 3 (os originais suecos)

Aproveitando-se do furor que causa o lançamento do filme de David Fincher “The Girl with the Dragon Tattoo”, a refilmagem de Millennium 1 “Os Homens que não amavam as mulheres”, e que estréia em 27 de janeiro no Brasil, mas ao mesmo tempo sem nenhum marketing, a TV brasileira vai exibir os originais de “A Menina que brincava com fogo” (Millennium 2) e a “A rainha do castelo de ar” (Millennium 3). Tais películas entraram na grade do canal HBO Max com diversos horários de exibição agora em janeiro e fevereiro. Os filmes aqui no Brasil nunca chegaram ao mercado, nem em cinema, nem em vídeo. Os direitos de distribuição pertenciam à Imagem Filmes, que optou por abrir mão dos mesmos, devido à baixa repercussão do primeiro filme da trilogia, lançado no Brasil em maio de 2010, atingindo apenas 37.000 espectadores, após 7 semanas em cartaz.

Os filmes serão exibidos na sua versão para o cinema. A versão extendida, que foi exibida como minisérie nas TVs nórdicas e que agrega algo como 3 horas de filmagem na soma dos três filmes, esta continuará inédita entre nós.

Para ver os horários de “A Menina que brincava com fogo”, clique aqui.

Para ver os horários de “A Rainha do Castelo de Ar”, clique aqui.

Um livro: Nemesis, de Philip Roth

Nemesis
Image by liquidsunshine49 via Flickr

O nordeste dos EUA, no início dos anos 40 do século passado, vitimado por uma epidemia de poliomelite e pelos horrores da Segunda Grande Guerra, é o local onde Roth situa esta pequena novela. A desesperança e a dor grassam, vidas são destruídas e planos interrompidos. Bucky Cantor é um jovem promissor, que cuida do pátio da escola, onde os alunos se exercitam entre e após as aulas, aprendem conceitos básicos de sociabilidade e competição. Roth nos narra um calor senegalesco em plena Newark, mais preparada para os gélidos invernos do que para temperaturas acima dos 30 graus centigrados.

Todos adoram Bucky, que é amigável, prestativo, zeloso e honesto até a última gota de suor. Ele tem uma namorada linda, amigos bacanas e uma avó que cumpre o papel de mãe também, cuidando-o como ninguém. Embora míope, e a aí está a razão para não estar combatento no front, é um ás dos esportes. Admirado pelas proezas que realiza e mais ainda pelos ensinamentos que transmite aos jovens garotos de quem cuida, Bucky leva a vida pacifica e ordeiramente.

Mas a polio é poderosa naquela verão de 1944, não tem piedade e se abate sobre o bairro de Bucky como uma blitzkrieg.

Deus não pode estar certo, pensa Bucky, como pode permitir tantas atrocidades?

Roth a partir deste cenário investiga a culpa, a fé, a vida. O estilo é caústico, a narrativa flui sem muitos rodeios. A secura do texto combina com a aridez deste verão terrível, mas Roth, mais uma vez esquecido para o Nobel em 2011, segue nos dando ótimo material, que faz pensar. E é boa leitura, acima de tudo. 

Todas as músicas de Midnight in Paris (completo, inédito em português)

Close up of Allen's statue in Oviedo (Asturias...
Image via Wikipedia

Depois de muita pesquisa, finalmente consigo publicar a relação completa de músicas que Woody Allen utilizou em Meia-Noite em Paris. Uma seleção para lá de “cool”.  Como não tem CD em vista com esta trilha, o público a fim de tê-lastem de garimpá-las por aí.  Pelo que consegui apurar, esta relação é inédita na Web em português. Boa sorte!

“Si tu vois ma mère”
Letra, música e interpretação de Sidney Bechet

“Je suis seule ce soir”
Escrita e composta por Rose Noel, Jean Casanova e Paul Durand

“Recado”
Escria e composta por Luiz Antonio e Djalma Ferreira
Interpretado por Original Paris Swing

“You’ve got that thing”
Composição de Cole Porter

“Let’s do it”
Composição de Cole Porter

“La Conga Blicoti”
Interpretada por Josephine Beker

“You do something to me”
Composição de Cole Porter

“Charleston”
Composição de James P. Johnson e Cecil Mack
Interpretada por Enoch Light e The Charleston City All Stars

“Ain’t she sweet”
Composição de Milton Ager e Jack Yellen
Interpretada por Enoch Light e The Charleston City All Stars

“Parlez-moi d’amour”
Escrita e composta por Jean Lenoir
Interpretada por Dana Boulé

“Barcarolle”
Composição de Jacques Offenbach

“Can-can”
Composição de Jacques Offenbach

“Ballad du Paris”
Composição e interpretação de François Parisi

“Le Parc de Plaisir”
Composição e interpretação de François Parisi

“Montagne St Geneviève”
por Stéphane Wrembel

A estréia no Brasil de “The Girl with the Dragon Tattoo”, remake americano, já está programada

Rooney Mara at the 2009 Toronto International ...
Image via Wikipedia

E vai comecar tudo de novo….
Pois é, David Fincher está fazendo a primeira parte do remake americano da trilogia Millennium para as telonas. O filme, esperado para sair na semana do Natal do ano que vem nos USA, recebeu a data de 12 de fevereiro de 2012 para a provável estréia no Brasil. Parece que neste caso, seguiremos mais de perto o cronograma de lançamento , o que nao foi o caso nos filmes originais suecos.

Eu, por princípio, abomino esta idéia de remakes, mas vai ser divertido comparar as duas visões da estória, e, sobretudo, comparar a performance de Rooney Mara contra a de Noomi Rapace.

A conferir em 2012.