O trailer para o Brasil de “Os homens que não amavam as mulheres” (Millennium 1)

A Imagem filmes põe na rede o trailer de divulgação do filme “Os homens que não amavam as mulheres” (Millennium 1), com chamadas e dublagem em português. O filme segue confirmado para estréia em 23 de abril. A se manter a data, seremos um dos últimos países a receber a película, mais de um ano e dois meses depois da estréia na Escandinávia, e mais de 6 meses de atraso em relação a Portugal, por exemplo. Veja as datas de lançamento em alguns países abaixo:

Denmark 27 February 2009
Sweden 27 February 2009
Norway 13 March 2009
Finland 27 March 2009
France 13 May 2009
Switzerland 13 May 2009 (French speaking region)
Belgium 20 May 2009
Canada 29 May 2009
Italy 29 May 2009
Spain 29 May 2009
Iceland 24 July 2009
Netherlands 6 August 2009
Sweden 26 August 2009 (DVD premiere)
Portugal 24 September 2009
Germany 1 October 2009
Greece 1 October 2009
Switzerland 15 October 2009 (German speaking region)
Austria 16 October 2009
Poland 5 November 2009
Spain 18 November 2009 (DVD premiere)
New Zealand 26 December 2009
Japan 16 January 2010
Estonia 22 January 2010
Argentina 18 February 2010
UK 12 March 2010
USA 19 March 2010
Australia 25 March 2010

Sem falar que em vários destes países, a segunda parte da trilogia também já foi lançada, e por aqui, nem a compra dos direitos de distribuição está confirmada. Lamentável.

É isso aí,

Trailer de “Os homens que não amavam as mulheres” (Millennium 1) em português

Com a estréia neste último final de semana em Portugal, vamos tendo a oportunidade de ver o trailer de “Os homens que não amavam as mulheres” com legendas em português. Lá na terrrinha o primeiro filme da série baseada na trilogia Millennium recebeu o título de “Os homens que odeiam as mulheres”, mais fiel ao título original. Veja o trailer enquanto aguarde a confirmação do lançamento no Brasil. Preparem-se: foram necessárias algo como 2h20 de película para agasalhar o tijolinho original.

As faces de Lisbeth Salander – II

Pessoal,

a Dani achou este vídeo no You Tube, em inglês, falando sobre a escolha de Noomi Rapace para o papel de Lisbeth. Vale a pena olhar. Dublado em inglês. Interessante a visãod e que Lisbeth seria uma “updated feminist”.
E seguimos esperando o anúncio da chegada do filme ao Brasil.

É isso aí.

Trilogia Millenium: As faces de Lisbeth Salander

Na tentativa de se traduzir corretamente a imaginação de Stieg Larsson, uma das tarefas mais difíceis sem dúvida deve ter sido dar um rosto e um corpo para Lisbeth Salander. A heroína menos convencional da Literatura policial dos últimos tempos não tem um “molde”, digamos assim, nem pode ser categorizada. Como se saíram os produtores do filme baseado no primeiro volume da trilogia? Confira você mesmo na imagem abaixo da atriz Noomi Rapace como Lisbeth no primeiro filme da série e compare com as imagens usadas nas capas dos livros em língua espanhola. A “base” das imagens estilizadas nas capas espanholas é uma espécie de auto-retrato da ilustradora argentina Tatiana Villoslada.

Noomi Rapace como Lisbeth

A capa do terceiro tomo em Espanhol

Mais sobre a trilogia Millennium de Stieg Larsson – vol. 2

Já comentei sobre o livro 2 da série millennium aqui, quando ainda estava no meio do caminho para completar a leitura. Pois bem, agora que um final de semana me possibilitou devorar as últimas 200 páginas, podemos completar a análise deste tijolo que leva o título “A menina que brincava com fogo”

Muita criatividade do Stieg Larsson nesse segundo volume, sem dúvida alguma. A história de fundo são três assassinatos que põe a personagem principal sob suspeita (não estou contando nada a mais do que já está na contra-capa), mas antes de a trama “pegar”, Stieg dá pano para manga, como no primeiro volume, mas desta vez ele investe em enredos paralelos mirabolantes, a la james bond. O fato é que ele criou um livro independente do primeiro, mas para quem leu os dois, muitos vínculos puderam ser estabelecidos, inclusive satisfazendo a curiosidade sobre o passado de Lisbeth, a heroína (se é que tal personagem pode ser caracterizada assim!). A destreza de Stieg é a mesma, o que reforça a tese de que os livros foram escritos ao mesmo tempo, quase. Ressalte-se porem a profusão de personagens secundários que foram introduzidos nesta segunda trama, trazendo muita dispersão, já que muitos dos quais não foram devidamente aprofundados. Fica-se sem saber a que vieram. E que é talvez o mais incrível, Stieg fez os dois personagens principais interagirem muito, mas de um modo muito peculiar. Para muitos, esta decisão pode deixar uma sensação esquisita ao mesmo tempo que produz uma ansiedade pelo terceiro tomo.

O enredo não poderia ser mais intricado e mirabolante, principalmente o final, muito pensado para o cinema, talvez. Mas, apesar de todas estas ressalvas, pena que acabou. Vamos para o volume 3!  E falando em pensado para o cinema, resta saber quando chegarão os filmes produzidos com base na trilogia e que já estão saindo por toda a Europa. Alô, distribuidoras: comprem que queremos ver! Deixo aqui um trailer do primeiro filme para todos saborearem.

 

É isso aí.