The Man who can’t get rid of the Dragon Tattoo

A BBC e sua completa investigação sobre o sucesso da “crime fiction” escandinava. Vale a pena ver, completíssimo e com dicas ótimas sobre o que ler.

A estréia no Brasil de “The Girl with the Dragon Tattoo”, remake americano, já está programada

Rooney Mara at the 2009 Toronto International ...
Image via Wikipedia

E vai comecar tudo de novo….
Pois é, David Fincher está fazendo a primeira parte do remake americano da trilogia Millennium para as telonas. O filme, esperado para sair na semana do Natal do ano que vem nos USA, recebeu a data de 12 de fevereiro de 2012 para a provável estréia no Brasil. Parece que neste caso, seguiremos mais de perto o cronograma de lançamento , o que nao foi o caso nos filmes originais suecos.

Eu, por princípio, abomino esta idéia de remakes, mas vai ser divertido comparar as duas visões da estória, e, sobretudo, comparar a performance de Rooney Mara contra a de Noomi Rapace.

A conferir em 2012.

O que ler depois de Stieg Larsson

Perdido depois de devorar a Trilogia Millennium? Sem saber o que ler para aplacar a vontade de ir correndo para a Suécia?
Bem, antes que nada, é importante que você saiba que o quarto livro da série aparentemente está incompleto no laptop de Stieg, que por sua vez ninguém sabe onde está…..
Portanto, é hora de se voltar para outras alternativas, já que a continuidade de Millennium parece definitivamente comprometida. Todos os fãs da série no mundo inteiro querem saber o que ler depois de Stieg.
Os grandes jornais americanos recentemente andaram publicando as suas apostas, que reproduzo aqui, parcialmente. Já ressaltando que na maior parte dos casos, vai ser dificil encontrar estes títulos em português, porém nas boas casas do ramo podemos no mínimo encontrar as edições em inglês, em alguns casos. Vamos lá:

1. Camilla Läckberg é uma escritora sueca que tem 7 livros publicados, e todos presentes nas listas de mais vendidos na Suécia. Um deles, “A princesa de gelo” já está traduzido para o português e pode ser encontrado nas livrarias. O site dela é bastante interessante.

2. O norueguês Jo Nesbø já foi publicado em 40 idiomas. Dois livros dele podem ser encontrados em português, “A casa da Dor” e “Garganta Vermelha”.

3. Outro sueco, Henning Mankell, é considerado o padrinho dos livros do gênero na Suécia, escreve há mais de duas décadas e tem um detetive de nome Kurt Wallander, que foi seu personagem em 8 livros. O último livro de Mankell, “The Man from Beijing” é uma das mais fortes recomendações para combater a carência de Stieg.

4. Johan Theorin é outra recomendação dos especialistas, com seu livro “The Darkest Room”, ainda sem tradução para o português.

5. Arnaldur Indridason é da Islândia e seu último livro, Hypothermia, um êxito. Um de seus livros anteriores, Jar City, virou filme, que, óbvio, terá um remake americano que já está em produção. 

Façam suas apostas.

É isso aí,

O trailer para o Brasil de “Os homens que não amavam as mulheres” (Millennium 1)

A Imagem filmes põe na rede o trailer de divulgação do filme “Os homens que não amavam as mulheres” (Millennium 1), com chamadas e dublagem em português. O filme segue confirmado para estréia em 23 de abril. A se manter a data, seremos um dos últimos países a receber a película, mais de um ano e dois meses depois da estréia na Escandinávia, e mais de 6 meses de atraso em relação a Portugal, por exemplo. Veja as datas de lançamento em alguns países abaixo:

Denmark 27 February 2009
Sweden 27 February 2009
Norway 13 March 2009
Finland 27 March 2009
France 13 May 2009
Switzerland 13 May 2009 (French speaking region)
Belgium 20 May 2009
Canada 29 May 2009
Italy 29 May 2009
Spain 29 May 2009
Iceland 24 July 2009
Netherlands 6 August 2009
Sweden 26 August 2009 (DVD premiere)
Portugal 24 September 2009
Germany 1 October 2009
Greece 1 October 2009
Switzerland 15 October 2009 (German speaking region)
Austria 16 October 2009
Poland 5 November 2009
Spain 18 November 2009 (DVD premiere)
New Zealand 26 December 2009
Japan 16 January 2010
Estonia 22 January 2010
Argentina 18 February 2010
UK 12 March 2010
USA 19 March 2010
Australia 25 March 2010

Sem falar que em vários destes países, a segunda parte da trilogia também já foi lançada, e por aqui, nem a compra dos direitos de distribuição está confirmada. Lamentável.

É isso aí,

Tudo sobre Millennium e Stieg Larsson

Além do que podem ler aqui, gostaria de deixar o link para o site do jornal espanhol “la vanguardia” que tem uma das melhores páginas sobre a série Millennium e seu autor. Acessem clicando aqui.

Vale a pena!

Trilogia Millennium: uma análise dos três livros de Stieg Larsson

Que Millennium é, na maior parte do tempo e de suas mais de 1800 páginas, uma leitura prazerosa, vejo como quase incontestável. O sucesso de vendas retrata isso e a profusão de fãs no mundo todo, com a passagem para o cinema, só vêem reforçar ainda mais o fenômeno mundial em que ela se converteu. Muito além do entretenimento proporcionado pela série, porém, findada a leitura do terceiro e último tijolinho da série, é momento de se refletir sobre o interessantíssimo mundo que a imaginação de Stieg Larsson criou, além de trazer à tona bons pontos de discussão na sua peculiar forma de ver por onde andam os Homens neste novo século e na Suécia em particular.

Das coisas interessantes que o microcosmo sueco do livro nos traz, emerge como grande pano de fundo de sua obra, primeiramente, uma grande crítica do welfare-state. A sociedade tão organizada, tão meticulosamente zelosa do bem-estar comum, falha no individual. Falha ao não cuidar bem dos seus entes que mais precisam de cuidado, o que é bem curioso. É o que parece nos querer dizer o autor, ao nos brindar com o aparato do Estado dentro do Estado, representado pela Seção, revelação do segundo livro. Uma instituição criada para o “jeitinho”, para fazer as coisas fora das regras, para subverter a ordem. É o retrato que sobressai também quando vemos o tratamento dispensado a Lisbeth nos hospitais psiquiátricos da Suécia. Todos os tipos estranhos com os quais cruzamos ao longo da trilogia parecem desambientados na sociedade perfeita que é o estereótipo da Suécia para o mundo. Desviados de toda ordem, como o grupo de motoqueiros, os que lucram com a prostituição, os que vendem drogas, os imigrantes, espelham perfeitamente o “lixo da pós-modernidade”, como nos fala Zigmut Baumann. E a Suécia parece cheia dele. O preconceito da polícia contra Lisbeth, a “lésbica satânica” de Faste, é a jóia da coroa deste lixo e a que mais prontamente deve ser eliminada.

Como sabemos que Stieg tem uma tradição jornalística de esquerda, só podemos interpretar isto como uma grande denuncia ao “sistema”. Stieg porém, algumas vezes exagera no panfletismo, e sua visão muito peculiar e deturpada do capitalismo sobressai por exemplo na estória paralela de Bjorslo, e suas privadas de milhares de coroas, feitas com mão-de-obra infantil no Vietnã. Nunca passou pela cabeça de Stieg que o mercado paga o preço que quer pagar pelas privadas ?

Bloomkvist será o alter-ego do autor? Isto importa pouco, mas o personagem é de tal forma sagaz , sexy, inteligente, que é difícil entender de outra forma. E o adjetivo Super-bloomkvist…..pelamordedeus! Mas não deixo de ver na incrível inteligência de Lisbeth Salander também parte do desejo do autor de se vangloriar. Seria ela também a heroína que ele sempre quis ser?

Lisbeth é a melhor contribuição do autor, sem dúvida. Através desta personagem temos a amarração dos três livros e de uma participação quase que coadjuvante no primeiro, ela passa a protagonista no segundo, e “mentora intelectual” no terceiro. A ética de Lisbeth é talvez o mais interessante a se analisar. Parece ser justa, gostar da mãe, mas rouba e viola a lei sem o menor pudor. Contestadora, afronta as regras de convivência sócia e debocha da autoridade. No livro, tudo justificado pelos abusos, mas para quem é tão intelectualmente bem dotada…

A relação de Bloomkvist e Lisbeth é extramente curiosa e cumpre notar que no segundo livro, há apenas um encontro entre os dois personagens, e ele se dá na última página!

Bloomkvist e Lisbeth, cada um a seu modo, são elétrons livres da sociedade, vivem sós e são totalmente egocentrados. Retrato do país?

A Suécia do imaginário coletivo, aliás, implode, restando apenas a liberdade sexual como uma bandeira, quase nenhum personagem tem uma família tradicional, e o casal Berger é o supra-sumo do liberalismo.

Fruto da incrível criatividade de Stieg, que em três livros, nos brinda três roteiros totalmente distintos, ainda que enredados entre si e derivados um do outro. Um show.

O mistério do primeiro livro deslancha a partir da página 150 e fica difícil de largar. O segundo livro tem um desenrolar muito parecido, demorando a engrenar, mas nele não há o mistério impenetrável e aprisionado no passado, e sim uma caçada ao assassino declarado. O final deste, porém, muito cinematográfico, prejudica e tira um pouco da credibilidade da narrativa (claro que é ficção, eu não consigo sair totalmente da realidade ao analisar) . Como esperado, o terceiro volume começa exatamente de onde parou o segundo, mas logo se converte em um outro enredo encantador, embora a profusão de personagens desgaste um pouco. Mas este último volume culmina bem com a elucidação de (quase) todos os mistérios levantados pela trilogia desde o principio e a ótima cena do julgamento. Quase que Stieg resvala de novo para o fantasioso, mas desta vez ele soube dosar melhor o seu apetite pelo hollowoodiano

O uso de alguns casos reais se confunde com a criação de outros, e Stieg chega a usar o nome verdadeiro do primeiro-ministro sueco Falldin e citar casos de corrupção reais. Bem curioso.

Enfim, ótima leitura e porta de entrada para um grande milênio.

É isso aí!

Os horários de MILLENNIUM 1 – “OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES” na 33ª Mostra de SP

MILLENNIUM 1 – OS HOMENS QUE NÃO AMAVAM AS MULHERES (MÄN SOM HATAR KVINNOR), de Niels Arden Oplev (152′). SUÉCIA. Falado em sueco. Legendas em português. Indicado para: 16 ANOS.

CINESESC 31/10/2009 – 00:00 –
UNIBANCO ARTEPLEX 1 01/11/2009 – 23:50 –
CINEMARK CIDADE JARDIM 02/11/2009 – 21:30 –
ESPAÇO UNIBANCO 3 04/11/2009 – 15:20 –

Vamos ter a oportunidade de conferir se o filme é fiel ao livro de Stieg Larsson.

É isso aí,