Oscar 2012: Hugo versus The Artist

Se há uma guerra particular dentro da competição do Oscar 2012, esta será travada entre os dois filmes mais originais dentre todos os indicados, aliás os mais originais desde Avatar: O Artista e A Invenção de Hugo Cabret. O primeiro concorre a 10 estatuetas e o segundo a 11. Em 7 delas, a competição é direta. Vale a pena analisar categoria por categoria para ver quem vai ficar com o que, ou se ainda um terceiro filme pode aparecer correndo por fora e levar parte dos prêmios mais importantes.

1. Onde Hugo está sozinho

Efeitos visuais > indiscutivelmente o uso do 3D é um primor em Hugo, que deve ganhar esta, a menos que a academia resolva dar um reconhecimento para Harry Potter

Mixagem de Som  > pode dar qualquer um dos indicados, eu particularmente aposto que a Academia vai usar este prêmio menos importante para reconhecer um dos demais candidatos

Edição de som > Drive é um fortíssimo candidato aqui. “As pessoas não vão ver Drive, vão ouvi-lo”, diz a Première francesa.

Roteiro adaptado > o roteiro não é a melhor parte de Hugo, que peca na primeira metade por uma certa dificuldade com o timing.

2. The Artist sozinho 

Ator > não parece difícil para Jean Dujardin, dado à sua performance para lá de encantadora no filme, já reconhecida inclusive em outras premiações. George Clooney se aproxima cada vez daquilo que Brad Pitt já conseguiu, que é ser reconhecido como um ator e não apenas um star. Mas ainda não será desta vez.

Atriz coadjuvante > Berenice Bejo tem chances, embora seja estranho que sua indicação tenha sido para coadjuvante, afinal ela é o primeiro nome feminino do elenco. Sorte dela, que escapa da disputa direta com Meryl Iron Streep.

Roteiro original > aqui a competição é duríssima e o prêmio deve ir para Midnight in Paris. Woody merece.

3. Onde o verdadeiro embate acontece

Figurinos  > A academia costuma reconhecer filmes de época nesta categoria, portanto maiores chances para Jane Eyre. Entre nossos dois combatentes, Hugo.

 Música > ambos tem primorosas trilhas, mas o Artista se sobressai.

 Edição > outra categoria onde a disputa será árdua, contando ainda com The Girl with the Dragon Tatto no páreo.

Cinematografia > deve prevalecer o impacto do 3D de Hugo.

Direção de arte > A complexidade de Hugo chama a atenção, a arte dos primeiros minutos é simplesmente mágica e a recriação do universo de Meliés um espetáculo à parte. Hugo.

Direção > Scorsese fez um trabalho hercúleo, e deve ser recompensado.

Melhor filme > é no mínimo curioso que estejamos cotejando um filme francês que homenageia uma época de ouro da cinematografia americana e um filme americano que rende-se aos franceses, inventores da sétima arte. Uma disputa alucinante de estilos também, pois ao passo que The Artist vale-se de quase nenhum efeito especial, é um filme de baixo orçamento e não tem elenco superstar, Hugo usa as mais modernas técnicas de filmagem, é uma superprodução e tem nomes de maior peso no elenco, embora nenhum super-astro. O filme francês ganhou quase tudo até agora e, no conjunto, é mais harmônico que Hugo. Fica a minha aposta.

Bom Domingo a todos.

Advertisements

Inglorious Basterds

Pessoal, este fica em inglês mesmo, por falta de tempo!

Great movie! Tarantino mastered several components of film-making and produced a one of a kind piece of celuloid. Walz and Pitt delivered also great performances. It’s a pitty that the german friends won’t see with subtitles, because Pitt’s accent is a major part of the caracther and also several actors speak in their native languages, which is totaly vital for the film as well. Tarantino’s capacity to deliver unexpected scenes is notable. The guy is creative enough to surprise you every five minutes. A must-see.