A versão extendida da Trilogia Millennium / Dragon Tattoo Trilogy extended version

A TV brasileira neste momento promove a série Millennium amplamente, colocando no ar em vários horários os três filmes (estamos falando dos originais suecos). O que nem todos sabem é que a filmagem baseia-se no que foi originalmente concebido para ser uma série de TV, em seis capítulos. Este série faz tempo foi lançada na Europa e nos USA com o título Millennium Trilogy, ou Dragon Tattoo Trilogy – Extended Edition, com algo como 9 horas no total, quase 1 hora a mais por filme em relação ao que vimos no cinema. Para os fãs de Stieg Larsson, este formato é o que mais permite explorar todas as facetas da obra do autor. Os temas paralelos da trama são aprofundados, o que nas versões editadas para a telona não se mostrou viável. A intrincada investigação policial, por exemplo, tem muito mais consistência nesta versão mais longa. E, vale o aviso, a versão não fica enfadonha em nenhum momento. Em resumo, é obrigatório para os fanáticos de carteirinha por Larsson e Lisbeth, mas ao mesmo tempo é uma boa pedida até para quem não leu os livros. E sigo com minha opinião: Hollywood deveria ficar fora desta. O suecos não se deixaram levar apenas pelo potencial mainstream da literatura de Stieg, eles souberam preservar as (importantes) parcelas de crítica social, de costumes e empinaram altíssimo todas as bandeiras do autor. Um show. A Sony ainda estuda se vai seguir com o projeto e colocar os volumes dois e três para rodar, já que Girl With the Dragon Tattoo mal e porcamente cobriu os custos de produção. Não se preocupem. Tudo o que podia ser extraído do material que Larsson deixou já foi contado.

Brazilian cable TV promotes right now the Millennium Trilogy, exhibiting its three motion pictures, from the original swedish. But what is unknown to major part of the public is that the films were originally conceived as a TV series, with more than 9 hours in total, which makes more or less 3 hours more of filming than what was released  to be shown at the cinemas. For Stieg Larsson’s fans, this extended format is the most suitable one, the one which allows a in-depth dive on the author´s various subtopics. Not to mention that the additional three hours were well used, (do not worry, this version, despite its lenght, never gets boring) giving chance to the stories around the two main characters and exploring in a much better and consistent way the intricate investigation that is the core of the whole thing.  In a nutshell, that is a must see for the fans, but at the same time, even for those who haven’t read the books, a very good entertainment. Hollywood should have stayed out of this. The Swedish have taken a road less travelled, far from the mainstream, and explored perfectly Stieg’s concerns over the state of the society he was living within. A masterpiece. It is still unclear whether Sony will follow shooting the next two parts of the trilogy. It does not matter. All that could or should have been said about the Millennium Trilogy is already at our disposal.

Trilogia Millennium: as datas de exibição na TV de Millennium 2 e 3 (os originais suecos)

Aproveitando-se do furor que causa o lançamento do filme de David Fincher “The Girl with the Dragon Tattoo”, a refilmagem de Millennium 1 “Os Homens que não amavam as mulheres”, e que estréia em 27 de janeiro no Brasil, mas ao mesmo tempo sem nenhum marketing, a TV brasileira vai exibir os originais de “A Menina que brincava com fogo” (Millennium 2) e a “A rainha do castelo de ar” (Millennium 3). Tais películas entraram na grade do canal HBO Max com diversos horários de exibição agora em janeiro e fevereiro. Os filmes aqui no Brasil nunca chegaram ao mercado, nem em cinema, nem em vídeo. Os direitos de distribuição pertenciam à Imagem Filmes, que optou por abrir mão dos mesmos, devido à baixa repercussão do primeiro filme da trilogia, lançado no Brasil em maio de 2010, atingindo apenas 37.000 espectadores, após 7 semanas em cartaz.

Os filmes serão exibidos na sua versão para o cinema. A versão extendida, que foi exibida como minisérie nas TVs nórdicas e que agrega algo como 3 horas de filmagem na soma dos três filmes, esta continuará inédita entre nós.

Para ver os horários de “A Menina que brincava com fogo”, clique aqui.

Para ver os horários de “A Rainha do Castelo de Ar”, clique aqui.

Um Oscar para Noomi? – Millennium 3, “The Girl who kicked the hornet’s nest”

Academy Award for Best Foreign Language Film
Image via Wikipedia

A finalização da trilogia Millennium nas telas (estamos falando dos filmes originais suecos) termina muito bem com esta parte 3, baseado no livro “A Rainha do Castelo do Ar”.  Tal como nos dois primeiros filmes, este também é bastante fiel ao livro.

O filme assenta-se no tripé composto pelo julgamento de Lisbeth, a solução das questões políticas assossiadas à toda a trama e o acerto de contas familiar dos Salander.

Mas o mais correto talvez seja dizer que o filme levanta voo pela presença de Noomi Rapace como Lisbeth Salander, uma verdadeira “encarnação”, a exemplo do que já havíamos visto nos dois primeiros filmes da série. O papel de Salander foi “tomado” por ela de tal forma que já é difícil falar da personagem sem “ver” Noomi. Tanto que um movimento para dar um Oscar a Noomi anda solto na Web e uma indicação é mais do que merecida. Porém, como o Oscar não é só um tema de performance, e sim também de recursos investidos em campanhas de marketing, etc, há pouca lógica em se acreditar neste investimento nem por parte dos produtores (que já lucraram no mundo todo com os filmes), nem pela distribuidora americana, que também já lançou os filmes e não ganharia muito mais com a premiação. Sem falar no lobby do remake, que quer deixar terreno limpo para David Fincher em 2012.

De resto, para os fãs da série, esta terceira parte é um final digno para a trilogia nas telonas.

é isso aí,

Millennium 2 e 3 no Brasil só em 2011

Noomi Rapace at the San Sebastián Film Festiva...
Image via Wikipedia

A Imagem Filmes confirma que adiou os lançamentos dos filmes “The Girl who played with Fire” e “The Girl who kicked the hornet´s nest” (direto em DVD) para o primeiro semestre de 2011. O público brasileiro portanto corre já o risco de ver o remake americano do primeiro filme, “Os homens que não amavam as mulheres” (com lançamento nos USA em dezembro de 2011) antes de ter acesso à trilogia sueca.

O atraso do Brasil em relação ao circuito mundial ficará enorme, pois cabe lembrar que a trilogia original sueca acaba de ter o seu lançamento concluído, com a estréia de Millennium 3 no final de Outubro em vários países.

Millenium 3, que aliás, encerra dignamente a série, com nova ótima performance de Noomi Rapace (foto). A moça, aliás, parte para carreira em Hollywood (veja link abaixo). Crítica do filme em breve aqui no blog.

É isso aí,

Millennium: the story

 

Stieg Larsson's Milennium Trilogy
Image by Global X via Flickr

 

Tive acesso a um documentário, dirigido por Laurence Lowenthal, muito esclarecedor sobre Stieg, a Trilogia Millennium, e os desdobramentos do enorme sucesso desta série.  Nele, vemos a infância dificil de Stieg, criado pelos avós até os 9 anos, por razões não muito aprofundadas. O Pai e o irmão de Stieg, legítimos herdeiros da fortuna deixada pelo autor, não pareciam nada confortáveis nos seus depoimentos e fica claro que eles não eram parte ativa na vida de Stieg, e contribuíram, quando muito, bem pouco em tudo que diz respeito a ele. Ao contrario de Eva, a companheira de Stieg por 32 anos, que não aparece no documentário por estar impedida legalmente, mas mesmo assim Lowenthal consegue deixar evidente o papel e a importância dela para o escritor. A luta de Larsson contra o desenvolvimento dos movimentos neo-nazistas na Suécia fica bem explicada, através do depoimentos de Kurdo e dos atuais editores da revista Expo, da qual Stieg foi executivo-chefe. Da mesma forma, joga-se alguma luz sobre o engajamento do autor com movimentos revolucionários de extrema esquerda. São fornecidos também ótimos esclarecimentos acerca do processo de disputa da herança e da preocupação de todos com o destino que será dado a toda a criação intelectual de Larsson. Os depoimentos de Noomi Rapace e de Michael Nyqvist também são muito bons. Noomi inclusive manifesta-se contra qualquer esforço de publicação da famosa quarta parte da série, cuja existência foi recentemente confirmada.

Enfim, o documentário nos mostra muito sobre um dos maiores fenômenos editoriais dos últimos tempos. O primeiro autor a superar um milhão de copias vendidas no Kindle. Um cara extremamente workaholic, que ao invés de entregar apenas um manuscrito para aprovação da editora, entregou logo os dois primeiros volumes inteiros. Um cara que poderia escrever tranquilamente os dez volumes de Millennium. Mas tambem um cara que hoje poderia estar ao lado de Oliver Stone, tecendo loas a Hugo Chavez. Vai entender?

Para quem tem iTunes, o filme, de 50 minutos, está disponível para download na itunes Stores, de graça. Nos USA, alguns cinemas tem feito exibições deste documentário, também de graça, em uma iniciativa que poderia ser repetida por aqui. Vale a pena, principalmente para quem curte a trilogia, e quer entender como a formacao e as circuntancias da vida de Stieg Larsson foram o estopim para Lisbeth Salander e Michael Bloomkvist.

É isso aí,

Millennium 2 e 3 já estão com datas de estréia confirmadas no Brasil

Embora ainda esteja em cartaz “Os homens que não amavam as mulheres”, já é hora de nos perguntarmos quando estrearão as duas demais partes da trilogia. Bem, a boa notícia é que a distribuidora, Imagem Filmes, está confirmando “A Menina que brincava com fogo” para 16 de Julho e “A Rainha do Castelo de Ar” para 3 de Setembro. Ou seja, ficaremos mais ou menos alinhado com o lançamento destes filmes nos USA e na Grã-Bretanha. Perdemos para quase toda a Europa Ocidental e países de língua espanhola, mas não estamos em tão má companhia no atraso.
Seguem os trailers dos dois filmes.

É isso aí,

Tudo sobre Millennium e Stieg Larsson

Além do que podem ler aqui, gostaria de deixar o link para o site do jornal espanhol “la vanguardia” que tem uma das melhores páginas sobre a série Millennium e seu autor. Acessem clicando aqui.

Vale a pena!